sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Ludmilla - Água Na Boca (Lançamento 2017)

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

AGRESSIVIDADE(ANÁLISE PSICOLÓGICA)

Talvez não haja um tema tão importante para o desenvolvimento das relações sociais, e melhoria da qualidade de vida do coletivo do que discutir à agressividade em vários níveis psicológicos. Infelizmente por aspectos culturais e até mesmo religiosos, se compara a agressividade apenas com violência ou destrutividade. Estas duas últimas são aspectos totalmente patológicos da conduta humana, causando risco iminente para a própria sobrevivência da espécie. A agressividade é um fenômeno comum do cotidiano, e nos cabe entender a mesma, buscando tanto seus aspectos positivos quanto os negativos. O enfoque do estudo é a agressividade enquanto afastamento de outro ser humano, e não a violência ou qualquer coação física.

Por definição, dentro de um parâmetro psicológico, a pessoa agressiva é aquela que reage a todo acontecimento, como se fosse uma prova, contenda ou disputa na sua leitura mental. A competição passa a reinar na alma da pessoa; e se fizermos um levantamento da história do indivíduo, descobriremos que desde cedo o mesmo se esforçou em demasia para não vivenciar a experiência da exclusão. A crítica é sempre devastadora para estas pessoas. Esta definição contempla os aspectos negativos do fenômeno. É curioso notar como a agressividade é um divisor de formas de conduta ou personalidade, pois o oposto é uma pessoa que vive em lamúria ou autocomiseração. Já os agressivos têm uma precipitação de reações ou sentimentos. Mais curioso ainda é como a sociedade amplia o conceito de agressividade, considerando que a própria sinceridade e autenticidade são resultados da mesma.

Com toda a certeza a hipocrisia é a manutenção da agressividade ao extremo, cortando todas as formas possíveis de reação. É um instrumento político de manutenção da força e desigualdade, para se evitar qualquer transformação nas relações. Poucos refletem sobre o fato de que uma explosão de raiva pode ser tão agressiva quanto uma omissão num momento fundamental de ajuda ou participação perante outra pessoa. Já sabemos que a dissimulação faz parte de nossa era, mas esta também é uma “filha” legítima da agressividade, sendo uma espécie de permissão para vivenciar a mesma de forma velada como foi exposto. O dilema histórico da humanidade é quando conter ou não a agressividade. Sua repressão abala inclusive a saúde física da pessoa.

O problema é que numa sociedade totalmente competitiva como a nossa, toda a resposta caminha à agressão, por conta da leitura de que alguém está invadindo o espaço vital do sujeito. A conseqüência é não apenas enfrentar os efeitos da agressividade, assim como a culpa resultante do processo. Quais seriam os aspectos positivos da agressividade? Servir para uma reflexão profunda sobre o tipo de reação que realmente é necessária. Os extremos assolam nossa sociedade; seres belicosos em qualquer situação banal, e personalidades ingênuas, não abstraindo a verdadeira intenção de seu meio; expor também os reais aborrecimentos ou sentimentos de frustração perante a pessoa ou coletividade. O problema passa a ser a dosagem de como isto é feito.

A autenticidade não implica necessariamente em rigidez, potência de voz ou extrema ansiedade. A explosão emocional se insere exatamente neste quadro, e a pessoa invariavelmente perde sempre o controle. Mas o que acontece que motiva sempre a perda do rumo para uma situação de conflito? Novamente podemos falar da competição? Tudo o que está sendo levantado remete ao que ALFRED ADLER, contemporâneo de FREUD, e criador da psicologia social, chamava de “complexo de inferioridade”. Pode ser definido desde sentimentos ou pensamentos depreciativos para com o próprio físico da pessoa, passando por sua crença internalizada de que não é uma pessoa com poder ou carisma perante a sociedade.

Quem sofre do complexo de inferioridade convive desde sua infância com uma certeza mórbida de que sempre é a última a ser lembrada ou requisitada para algo especial. A conseqüência deste processo é o desenvolvimento de uma personalidade tímida e retraída, sendo que nas situações sociais não sente nenhuma potência pessoal, gerando a raiva e ódio como compensações psicológicas. É como se na presença de outros se sentisse totalmente anulada, e o ódio citado vai constantemente sendo expelido. O drama máximo do agressivo é não perceber que é usado constantemente por pessoas que não conseguem lidar com sua raiva; estas acabam sempre criando uma armadilha para que a suposta pessoa agressiva atue o que as outras jamais teriam coragem de expor. É uma projeção de catarse no outro.

A agressividade negativa remonta a dificuldade de se lidar com o sentido mais profundo da vida. A posse e o apego, por exemplo, são forças direcionadas para um prazer metafísico de acúmulo ou continuidade do ego, o que contraria a essência de nossa vida que diz que jamais iremos reter, mas ao contrário, apenas podemos deixar algo. Este fator realmente é eterno.
Desde a disputa do complexo de Édipo, até as disputas históricas pelo poder,a agressividade negativa tem a característica de deixar marcas ou traumas indeléveis. É a tentativa de se eternizar usando o pólo destrutivo da alma humana. Infelizmente nossa mais forte lembrança para as gerações futuras sempre foi o uso da força e a brutalidade, nos mostrando que jamais esqueceremos alguém que nos impôs algo, ou então que desfilou determinado sentimento para o qual jamais poderíamos nos preparar, sendo esta a essência do trauma.

Se o respeito for obtido pela autoridade ou desprezo, a conseqüência inevitável será a cristalização do medo e insegurança. Caso seja conquistado pela superproteção ou mimo, se desenvolverá uma Personalidade egoísta e narcisista. O único ponto possível de equilíbrio é a retirada absoluta do rancor de um passado, para que a pessoa não descarregue ou compense algo em seus descendentes. O respeito pleno pela individualidade deve ser a meta. Obviamente não se esquecendo a imperiosidade de regras de convivência e responsabilidade social. Paciência, dedicação e confiança são a tríplice potência para formarmos algo de valor. A pergunta é: Você está disposto a aprender a ser um bom pai ou mãe? Tem ciência de toda esta responsabilidade para com o futuro do ser humano?
O fator psicológico central de uma pessoa agressiva é que a mesma possui a plena consciência de uma vida que lhe seria satisfatória, agindo com um tom constante de revolta pela não obtenção de seu projeto pessoal; sabe também que a cada dia está mais distante dessa meta. Esta tese se transforma no núcleo do círculo vicioso. O não atingir o desejo pessoal ativa uma reação descontrolada e intempestiva perante uma simples frustração, e tal hábito afasta a pessoa da solução definitiva de seu problema comportamental. Reagir perante os mais insignificantes fatos novamente é o indício da atuação marcante do complexo de inferioridade no ser humano.
A agressividade se alia constantemente com outros sentimentos negativos, o principal deles é a inveja, devido à possibilidade da descarga da frustração e raiva. A inveja cria uma constante necessidade de fuga da situação dolorosa de se comparar e se sentir inferiorizado, partindo-se para o ataque. A agressividade é conseqüência de uma política não apenas econômica do nosso sistema, mas dirigida a esconder todos os sentimentos ou emoções negativas do tipo: cobiça, ódio, avareza e a inveja citada. O sistema só permite o aflorar de tais sentimentos na hora exata do consumo, pilar da sociedade e fator destrutivo do “eu”, dependendo de sua freqüência. A agressão então se transforma na resposta fisiológica do silêncio imposto pela sociedade, assim como suas regras de dissimulação, como vimos anteriormente. Torna-se ainda um tipo de distração e fuga do tédio e rotina que assolam a pessoa. Jamais haverá cura para a agressão social e individual se não lidarmos com todos os mecanismos que geram a hipocrisia nas relações.
A tese no transcorrer do texto é a de que o agressivo se adianta a uma possível experiência de rejeição, tendo a certeza de que alguém fatalmente irá contrariar suas expectativas. Além disso, se conhece como uma pessoa totalmente solitária, sendo que o aflorar de sua agressividade é exatamente em resposta ao hábito de jamais conseguir conservar uma amizade ou relacionamento, disfarçando sua miséria afetiva no remoer todo tipo de conflito. A derrocada de qualquer projeto afetivo sempre será iminente. A pergunta é: será possível anular tal “maldição” pessoal? A experiência clínica comprova que uma das únicas possibilidades de cura é a vivência de seus sentimentos dolorosos na psicoterapia, transportando seu lado bélico numa arena onde realmente possa ser diluído ou controlado. A agressividade continuará no topo comportamental da pessoa quanto maior for sua necessidade de atenção ou carência. Temos de perceber que a compulsão para a liderança, poder e orgulho, quase sempre pode superar uma reflexão genuína e honesta acerca da conduta da pessoa. O fato é que a resposta agressiva acaba não temendo qualquer tipo de perda, pois sua meta é a desforra contra imagens de ódio internalizadas em seu passado.
O sonho a seguir relatado por um paciente dá a medida exata de tudo o que foi dito até o presente momento: “sonhei que iria enfrentar o maior campeão do mundo no boxe; meu treinador também havia sido um grande lutador; comecei a perceber então a enrascada em que estava; como poderia enfrentar alguém tão forte e impiedoso sem nunca ter treinado ou feito qualquer tipo de condicionamento físico; pensava em desistir, mas o medo do vexame me assolava totalmente; sentia que meu oponente além de tudo estava em sua melhor forma física; o curioso é que meu treinador acreditava em mim, me falando que a saída era um único golpe certeiro. A multidão começou a lotar o ginásio, e antes da luta vim a falecer”. Este sonho mostra de forma cristalina toda a desproporcionalidade vivida por pessoas com um potencial agressivo acima da média, se engajando em situações onde fatalmente não terão um mínimo preparo para resolver de forma equilibrada seus conflitos, sejam pessoais ou sociais. É interessante como a energia agressiva atrai um “campeão do boxe”, provando que o fator inconsciente lançará a pessoa no caos, pois sua ira interna é desmedida perante suas reais potencialidades e possibilidades. O agressivo possui uma ambigüidade constante de desafio e recuo, o que aumenta sensivelmente todo seu tormento ou complexo de inferioridade.
Mas é justamente neste ponto que coloco em discussão outra temática polêmica; o agressivo não desejaria nunca ter a conduta do desafio, porém, sente que não há outras alternativas afora seu comportamento viciado. Como seria de vital importância que o sistema percebesse e aprofundasse tal conceito, provando realmente seu desejo de ajudar a evolução da pessoa. O emaranhado criado pela agressividade visa somente a compensação pela falta de estrutura e segurança afetiva. A agressividade em nosso mundo sempre irá gerar uma sensação de orfandade ou abandono, pois quase nenhum ser humano tem a capacidade de lidar plenamente com a culpa ou remorso após uma situação conflituosa. Aprofundando um pouco mais tal conceito, diria que somente depois de determinada perda é que o sujeito preso na agressividade visualiza todo seu histórico e modo de lidar com os afetos, embora como disse antes não consiga frear tal acontecimento.
Se olharmos à nossa volta, perceberemos que a competição é a droga ou vício de alguém que sempre tombará no lado pessoal. Basta nos atermos ao drama das separações ou conflitos conjugais. É impressionante a alienação nesta esfera. Há muito venho afirmando que nossa conduta profissional ou social é inteiramente transportada para o lado afetivo, pois uma relação jamais estará protegida das contaminações das relações sociais e de poder, porém, quase ninguém ainda percebeu tão óbvia conclusão. A agressividade gera todo tipo de medo perante uma retaliação ou revanche, desencadeando o fenômeno da paranóia. É curioso que a psicanálise tenha descrito tal patologia como sendo uma proteção inconsciente perante uma possível homossexualidade, alterando tal conteúdo sexual para uma sensação de ser perseguido constantemente. O que FREUD deixou de salientar com seu famoso estudo do caso *SCHREBER, é que o paranóico não está fugindo de possíveis energias sexuais que teme, mas que a própria paranóia é o último recurso para não se tornar um psicopata, dado que sua agressividade atingiu um estágio fora de qualquer tipo de controle. Assim sendo, a mente inverte a polaridade, fazendo com que a mania de perseguição encubra ao menos temporariamente seus instintos destrutivos; ao invés de ser o perseguidor, se transforma na vítima.
O rancor, a raiva ou o ódio dão uma falsa sensação de vitalidade para a pessoa com a meta da desforra, porém, cedo descobrirá que há muito se encontra putrefata em seu passado de tortura por algo que apenas encobre sua incapacidade para o novo. Outro drama do agressivo é sua relação com a questão do tempo. Sente que não o possui em demasia, desenvolvendo a impaciência e extrema ansiedade. O agressivo possui uma idéia arraigada ou internalizada de que há muito lhe foi retirado algo de extremo valor no auge de seu gozo ou aproveitamento. A conseqüência é o incremento do narcisismo, pois clama o tempo todo que foi “roubado”, ou que até hoje não vivenciou determinada experiência de prazer, achando que deve ser o único merecedor de atenção perante sua injustiça pessoal. O agressivo se tornaria extremamente útil se aprendesse a utilizar sua energia de protesto no favorecimento e reforço de pessoas com baixa auto-estima ou temerosas de seu eu. Não seria apenas uma sublimação, mas um ânimo que poderia doar ou compartilhar com alguém que está sempre duvidando de suas capacidades. Claro que o sujeito agressivo também não tem uma boa estima, mas o que enfatizo seria o transporte de determinadas atitudes àquelas pessoas que nem sequer se posicionam nas mínimas solicitações.
A experiência clínica nos mostra uma faceta curiosa acerca do fenômeno da agressividade. Muitas pessoas que vêm para se tratar são extremamente instruídas tanto do ponto de vista intelectual, como de experiência de vida propriamente dita. O fato é que quase todas alegam não conseguir encontrar alguém que aceite trocar ou aprender sobre seu grande conhecimento acumulado. Alguns rapidamente responderiam que tal fato ocorre pela rejeição perante a personalidade do agressivo ou o modo como se comporta. Embora isto seja evidente, não completa como um todo a análise da questão. Não seria apenas o medo de uma pessoa o fator determinante do afastamento, mas principalmente que esta lhe desperte um potencial que nunca soube explorar. Foi citado anteriormente que o agressivo pode ser uma espécie de “bode expiatório”, àquelas pessoas que não ousam se colocar de forma sincera. Aqui acrescento uma certa inveja contra alguém que apesar de talvez exceder no trato social, alimenta uma certeza perante seu posicionamento. O final da era das revoluções se aplica também na pessoalidade humana; a lei atual é o medo e ansiedade quando se escuta a palavra mudar.
Outra questão a ser enfatizada é: o que leva em nosso cotidiano a alguém aumentar seu potencial agressivo? É um erro imputar tal fenômeno a uma sensibilidade em excesso perante injustiças pessoais, ou as traições e decepções que vivenciamos diariamente. A verdadeira questão é que o sujeito agressivo, apesar de toda sua conduta imponente se sente na maioria das vezes totalmente dependente do outro, e o ódio é uma reação de desespero e tentativa de negar tal condição; este é seu pecado capital, quanto maior a energia empregada numa contenda, maior o risco de capitulação perante a opinião alheia. Não é por acaso que a sociedade é tímida, pois o verdadeiro inferno é a ditadura do julgamento alheio. A sociedade encaixa e dá sua importância a algumas modalidades: beleza, poder, riqueza ou prosperidade, candura e obstinação. O agressivo é totalmente expurgado do quadro anterior, sentindo que apenas na infração penal ou até mesmo na guerra é que se torna alguém necessário, sendo talvez suas únicas razões históricas de existência. A conseqüência de tal compreensão é um imenso quadro ansioso e de expectativa de mudança que não depende mais do indivíduo, mas de outro que possa lhe dar a absolvição.
Enfim, o agressivo deve aprender que uma verdade que expõe pode até ser transcendental, mas jamais pode justificar a submissão plena do outro. Há a necessidade da compreensão, observação e escuta profunda, mesmo perante alguém imbuído de idiossincrasias. O agressivo deve perceber que se habituou com um cenário de disputa e conflito, sendo que seria uma vitória para seu caráter expor seu lado caloroso e humano, e não somente sua rebeldia. 
A amargura que carrega, sempre será uma defesa perante sua “cruzada” histórica mal sucedida nos afetos. Sente ainda que jamais teve uma chance concreta de mudança ou de mostrar algo diferente. A observação clínica mostra que o agressivo possui uma admiração e curiosidade por pessoas formais e pragmáticas. Isto se deve ao fato de que estas últimas têm um anteparo eficiente contra a rejeição ou agressividade do meio. O agressivo apesar de tudo sabe que é um eterno ingênuo num mundo de códigos e condutas totalmente subliminares. 
Sente a cada dia o afastamento por sua integridade emocional. Procura desesperadamente alguém que o aceite e compreenda seu modo peculiar de enxergar as relações cotidianas. Encanta-se facilmente com uma pessoa que mostra alegria e felicidade dentro de toda a estrutura social corrompida, pois sua necessidade é de uma espécie de “férias” do lado sombrio que constela diariamente. A lição suprema para este tipo psicológico é que toda a carga agressiva que tentou expelir durante anos, acabou se voltando contra si próprio, maculando sua paz de espírito, fator primordial para a saúde psíquica.  
Link do site

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

84 magistrados de MT receberam mais de R$ 100 mil em julho

 O Tribunal de Justiça de Mato Grosso, no mês de julho, pagou vencimentos superiores a R$ 100 mil a 84 magistrados, entre juízes e desembargadores. Juntos, os rendimentos brutos destes togados, consumiram o montante de R$ 19.013.038,80.
Da lista, o juiz Mirko Vincenzo Giannotte, da 6ª Vara de Sinop, aparece na primeira posição, com o valor bruto de R$ 503.928,79. Em segundo lugar, seguem empatados com o valor de R$ 414.709,76, os juízes: Jorge Iafelice Dos Santos (3ª Vara Especial de Direito Bancário de Cuiabá), Debora Roberta Pain Caldas (2ª Vara Criminal de Sinop), Wanderlei José Dos Reis (1ª Vara Especializada de Família e Sucessões de Rondonópolis), Tatyana Lopes De Araújo Borges (4ª Vara Criminal de Rondonópolis) e Rachel Fernandes Alencastro Martins (Vara Especializada de Direito Bancário de Várzea Grande).
O pagamento bruto ao juiz da 2ª Vara Criminal de Rondonópolis, Leonardo De Campos Costa E Silva Pitaluga, foi no valor de R$ 414.709,75, um centavo de diferença dos magistrados que ocupam a segunda colocação.
Apenas os pagamentos dos sete magistrados acima listados consumiram o montante de R$ 2.992.187,34. 
A juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, aparece na lista como a 82ª mais bem paga no mês em todo o Estado, com pouco mais de R$ 103 mil.
Na lista dos 84 magistrados com pagamentos superiores a R$ 100 mil aparecem cinco desembargadores: Gilberto Giraldelli, Antônio Siqueira Rodrigues, João Ferreira Filho, Sebastião Farias e Serly Marcondes.
O TJ-MT anunciou que vai se pronunciar em breve para detalhar as origens dos alto valores pagos aos magistrados, mas adiantou que todos eles são legais e amparados por decisões do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Confira aqui a lista completa dos pagamentos de julho.
Confira a lista dos 84 magistrados que tiveram vencimentos superiores a R$ 100 mil em julho:
1. Mirko Vincenzo Giannotte - 6ª Vara da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 503.928,79 
2. Debora Roberta Pain Caldas - 2ª Vara Criminal da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 414.709,76 
3. Jorge Iafelice Dos Santos - 3ª Vara Esp. Direito Bancário da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 414.709,76 
4. Rachel Fernandes Alencastro Martins - Vara Especializada de Direito Bancário (Antiga 5ª Vara Criminal) da Comarca de Várzea Grande - Entrância Especial - R$ 414.709,76 
5. Tatyana Lopes De Araújo Borges - 4ª Vara Criminal da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 414.709,76 
6. Wanderlei José Dos Reis - 1ª Vara Especializada de Família e Sucessões da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 414.709,76 
7. Leonardo De Campos Costa E Silva Pitaluga - 2ª Vara Criminal da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 414.709,75 
8. Lamisse Roder Feguri Alves Corrêa - Juiz de Direito do 5° Juizado Especial Cível de Cuiabá (Planalto) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 414.067,76 
9. Elza Yara Ribeiro Sales Sansão - 4ª Vara Cível da Comarca de Tangará da Serra - 3ª Entrância - R$ 413.262,38 
10. Mario Augusto Machado - 2ª Vara da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 404.112,09 
11. Graciene Pauline Mazeto Correa Da Costa - 2ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres - 3ª Entrância - R$ 387.662,22 
12. Joseane Carla Ribeiro Viana Quinto Antunes - 4ª Vara da Comarca de Cáceres - 3ª Entrância - R$ 366.196,01 
13. Cleber Luis Zeferino De Paula - 5ª Vara da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 354.422,16 
14. Aline Luciane Ribeiro Viana Quinto Bissoni - 2ª Vara Cível da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 353.345,04 
15. Alex Nunes De Figueiredo - Juiz de Direito do 6° Juizado Especial Cível de Cuiabá (Porto) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 346.246,53 
16. Marcelo Sebastião Prado De Moraes - 2º Juizado Especial Cível de Cuiabá da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 326.627,16 
17. Geraldo Fernandes Fidelis Neto - 2ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 319.803,95 
18. Sebastião De Arruda Almeida - 6° Juizado Especial Cível de Cuiabá (Porto) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 319.413,82 
19. Hildebrando Da Costa Marques - Juiz de Direito do 1º Juizado Especial Cível de Cuiabá da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 311.499,54 
20. Milena Ramos De Lima E Souza Paro - 4ª Vara da Comarca de Alta Floresta - 3ª Entrância - R$ 311.034,60 
21. Ângelo Judai Junior - Vara Especilizada dos Juízados Especiais da Comarca de Tangará da Serra - 3ª Entrância - R$ 297.762,70 
22. Jurandir Florêncio De Castilho Júnior - 14ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 291.355,50 
23. Carlos José Rondon Luz - V. Esp. Infância e Juventude da Comarca de Várzea Grande - Entrância Especial - R$ 284.161,25 
24. Hugo José Freitas Da Silva - 4ª Vara da Comarca de Lucas do Rio Verde - 3ª Entrância - R$ 271.473,28 
25. José Mauro Nagib Jorge - 5ª Vara da Comarca de Diamantino - 3ª Entrância - R$ 263.725,24 
26. Gleidson De Oliveira Grisoste Barbosa - 2ª Vara da Comarca de Lucas do Rio Verde - 3ª Entrância - R$ 244.146,83 
27. Jones Gattass Dias - 2ª V. Esp. Fazenda Pública da Comarca de Várzea Grande - Entrância Especial - R$ 240.740,37 
28. Gilberto Giraldelli - Tribunal de Justiça - R$ 228.836,20 
29. Ana Paula Da Veiga Carlota Miranda - 5ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 225.813,41 
30. Rhamice Ibrahim Ali Ahmad Abdallah - 5ª Vara Cível da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 219.064,40 
31. Claudio Roberto Zeni Guimarães - Juiz de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 217.331,22 
32. Luís Aparecido Bortolussi Júnior - V.Esp. Ação Civil Publica e Ação Popular da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 208.948,29 
33. Jacob Sauer - Vara Especializada dos Juizados Especiais da Comarca de Sorriso - 3ª Entrância - R$ 198.458,48 
34. João Thiago De França Guerra - 8º Juizado Especial (Antigo J.E. Parque Cuiabá) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 197.769,81 
35. Tulio Duailibi Alves Souza - 2ª V. Esp. da Infância e Juventude da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 197.769,81 
36. André Maurício Lopes Prioli - 2ª Vara Cível da Comarca de Várzea Grande - Entrância Especial - R$ 196.246,25 
37. Patricia Ceni Dos Santos - 8º Juizado Especial (Antigo J.E. Parque Cuiabá) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 196.246,25 
38. Renan Carlos Leão Pereira Do Nascimento - 4ª Vara Cível da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 196.246,25 
39. Júlio César Molina Duarte Monteiro - 2ª Vara Cível da Comarca de Barra do Garças - 3ª Entrância - R$ 194.798,87 
40. Silvia Renata Anffe Souza - 2ª Vara Civel da Comarca de Sorriso - 3ª Entrância - R$ 194.798,87 
41. Gilberto Lopes Bussiki - 9ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 194.185,85 
42. Alberto Pampado Neto - 3ª V. Esp. Família e Sucessões(Antiga 6ª V. Esp. Família e Sucessões) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 192.860,09 
43. Francisco Rogério Barros - 1ª Vara Esp. da Fazenda Pública da Comarca de Rondonópolis - Entrância Especial - R$ 187.295,74 
44. Tiago Souza Nogueira De Abreu - 7ª Vara da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 185.706,20 
45. Anderson Gomes Junqueira - 3ª Vara Cível da Comarca de Tangará da Serra - 3ª Entrância - R$ 184.258,82 
46. Cássio Luis Furim - 1ª Vara da Comarca de Lucas do Rio Verde - 3ª Entrância - R$ 184.258,82 
47. Emanuelle Chiaradia Navarro Mano - 1ª Vara Criminal da Comarca de Sorriso - 3ª Entrância - R$ 184.258,82 
48. Flávio Maldonado De Barros - 1ª Vara Cível da Comarca de Tangará da Serra - 3ª Entrância - R$ 184.258,82 
49. José Eduardo Mariano - 3ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres - 3ª Entrância - R$ 184.258,82 
50. Patricia Cristiane Moreira - 2ª Vara da Comarca de Poxoréu - 2ª Entrância - R$ 184.258,82 
51. Carlos Roberto Barros De Campos - 3ª V. Esp. Família e Sucessões da Comarca de Várzea Grande - Entrância Especial - R$ 183.776,48 
52. André Barbosa Guanaes Simões - 1ª Vara da Comarca de Campo Verde - 2ª Entrância - R$ 182.883,81 
53. Valmir Alaércio Dos Santos - Primeira Turma Recursal Temporária da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 181.718,42 
54. Melissa De Lima Araújo - 2ª Vara da Comarca de Barra do Bugres - 2ª Entrância - R$ 180.872,74 
55. Anna Paula Gomes De Freitas - 2ª Vara Criminal da Comarca de Tangará da Serra - 3ª Entrância - R$ 179.948,30 
56. Douglas Bernardes Romão - 5ª Vara da Comarca de Alta Floresta - 3ª Entrância - R$ 176.987,03 
57. Lidiane De Almeida Anastácio Pampado - 1ª Vara da Comarca de Primavera do Leste - 3ª Entrância - R$ 176.987,03 
58. Alexandre Delicato Pampado - Vara Criminal da Comarca de Primavera do Leste - 3ª Entrância - R$ 175.570,61 
59. Gabriel Da Silveira Matos - 1ª Vara da Comarca de Campo Novo do Parecis - 2ª Entrância - R$ 174.576,18 
60. Gustavo Chiminazzo De Faria - 1ª Vara da Comarca de Nova Xavantina - 2ª Entrância - R$ 174.576,18 
61. Caroline Schneider Guanaes Simões - 3ª Vara da Comarca de Campo Verde - 2ª Entrância - R$ 174.195,56 
62. Giovana Pasqual De Mello - 4ª Vara da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 173.740,55 
63. Antônia Siqueira Gonçalves Rodrigues - Tribunal de Justiça - R$ 170.081,10 
64. José Arimatéa Neves Costa - 3ª Vara Esp. Direito Bancário da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 156.449,93 
65. Aristeu Dias Batista Vilella - 6ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 155.827,06 
66. Bruno Doliveira Marques - 10ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 153.321,97 
67. Emerson Luis Pereira Cajango - 4ª Vara Cível (Antiga 21ª Vara Cível) da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 152.319,07 
68. Onivaldo Budny - 1ª V. Esp. Fazenda Pública da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 142.788,36 
69. Paula Saide Biagi Messen Mussi Casagrande - 1ª Vara Cível da Comarca de Sorriso - 3ª Entrância - R$ 138.863,65 
70. Hanae Yamamura De Oliveira Gabriel - 5ª Vara da Comarca de Cáceres - 3ª Entrância - R$ 137.254,82 
71. Marco Antônio Canavarros Dos Santos - 2ª Vara da Comarca de Chapada dos Guimarães - 2ª Entrância - R$ 126.827,95 
72. Gerardo Humberto Alves Da Silva Júnior - 2ª Vara Cível da Comarca de Diamantino - 3ª Entrância - R$ 126.184,02 
73. João Ferreira Filho - Tribunal de Justiça - R$ 126.114,27 
74. André Luciano Costa Gahyva - 1ª Vara Civel da Comarca de Diamantino - 3ª Entrância - R$ 125.739,54 
75. Wagner Plaza Machado Junior - 3ª Vara Cível da Comarca de Barra do Garças - 3ª Entrância - R$ 124.857,76 
76. Carlos Augusto Ferrari - 1ª Vara Criminal da Comarca de Barra do Garças - 3ª Entrância - R$ 124.736,60 
77. Marcos Terencio Agostinho Pires - 5ª Vara Cível da Comarca de Tangará da Serra - 3ª Entrância - R$ 124.736,60 
78. Gilperes Fernandes Da Silva - 4ª V. Esp. Família e Sucessões da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 112.355,44 
79. Sebastião Barbosa Farias - Tribunal de Justiça - R$ 111.275,85 
80. Serly Marcondes Alves - Tribunal de Justiça - R$ 106.919,08 
81. Anglizey Solivan De Oliveira - 4ª Vara Cível da Comarca de Várzea Grande - Entrância Especial - R$ 104.380,81 
82. Selma Rosane Santos Arruda - 7ª Vara Criminal(Antiga Esp. Crime Organizado). da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 103.651,67 
83. Rosângela Zacarkim Dos Santos - 1ª Vara Criminal da Comarca de Sinop - Entrância Especial - R$ 100.672,84 
84. Silvana Ferrer Arruda - 5ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá - Entrância Especial - R$ 100.672,84
Isso é Notícia deste link abaixo:
http://www.folhamax.com.br/politica/84-magistrados-de-mt-receberam-mais-de-r-100-mil-em-julho/135185

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Use a nova ferramenta do Windows 10 para localizar seu notebook perdido

Por: 
3 de dezembro de 2015 às 9:08

A Microsoft finalmente adicionou um recurso de Localização de dispositivo ao Windows 10. Como é de se esperar, ele permite identificar onde seu notebook está, caso você o perca ou ele seja roubado. O recurso faz parte de uma grande atualização lançada no mês passado, e aqui explicamos como fazer para ativá-lo em sua máquina.
Entre no menu Iniciar, depois em Configurações e escolha Atualização e Segurança. A partir daí, clique em Localizar Meu Dispositivo, depois em Alterar e no botão que aparece para ativar o recurso – seu notebook vai enviar a localização dele regularmente enquanto estiver conectado a redes Wi-Fi e tiver bateria.
Você precisa estar com permissões de administrador para ativar esse recurso, e a localização GPS do seu dispositivo precisa estar ativada para ele funcionar.
Com ele funcionando, é só ir até account.microsoft.com/devices em qualquer computador e entrar com suas credenciais da conta da Microsoft para ver em que parte do mundo seu notebook está.
Clique em Localizar Meu Dispositivo para ver seu notebook no mapa.
Desktops com Windows 10 também são listados, mas o recurso de localização só funciona em notebooks e tablets. Por enquanto, não há a opção de bloquear seu computador remotamente, fazê-lo emitir um som nem apagar seus dados, como no OS X.

domingo, 13 de agosto de 2017

Classe política enfrenta rejeição generalizada

A pouco mais de um ano da eleição, pesquisa Ipsos revela que só 6% se sentem representados pelos políticos nos quais já votaram e apenas 50% defendem a democracia
Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo
13 Agosto 2017 | 05h00

A pouco mais de um ano das eleições para a Presidência, os governos estaduais e o Congresso Nacional, os brasileiros manifestam rejeição generalizada à classe política, independentemente de partidos, e ao atual modelo de governo. Segundo pesquisa do instituto Ipsos, apenas 6% dos eleitores se sentem representados pelos políticos em quem já votaram.
Desde novembro do ano passado houve queda de nove pontos porcentuais na taxa dos que se consideram representados. A onda de negativismo contamina a percepção sobre a própria democracia: só metade da população considera que esse é o melhor regime para o Brasil, e um terço afirma que não é. Quando os eleitores são questionados especificamente sobre o modelo brasileiro de democracia, a taxa de apoio é ainda mais baixa: 38% consideram que é o melhor regime, e 47% discordam. A pesquisa também mostra que 74% são contra o voto obrigatório.
-

Passado pouco mais de um ano das manifestações de massa que culminaram no fim do governo petista de Dilma Rousseff, nada menos do que 81% dos entrevistados pelo Ipsos manifestaram concordância com a afirmação de que “o problema do País não é o partido A ou B, mas o sistema político”.
Para 94%, os políticos que estão no poder não representam a sociedade. Apenas 4% acham o contrário. Quem está na oposição também é alvo de desconfiança. Quando a pergunta é sobre os políticos em quem os entrevistados já votaram em algum momento, 86% dizem não se sentir representados.

Distância. “Segundo a opinião pública, os eleitos não representam os eleitores”, observa Rupak Patitunda, um dos responsáveis pela pesquisa Ipsos. “A democracia no Brasil, desta forma, não é representativa.”
Só um em cada dez cidadãos vê o Brasil como um país onde a democracia é respeitada. Para 86%, isso não ocorre. “A própria democracia, o que se espera de seu conceito, não é respeitada”, afirma o pesquisador. “Há uma expectativa sobre o regime que não é atendida pelos seus clientes.”

A percepção de desrespeito às normas democráticas pode estar relacionada à ideia de desigualdade. Para 96% dos entrevistados pelo instituto, todos devem ser iguais perante a lei, mas somente 15% consideram que essa regra é devidamente observada no Brasil.
É também quase consensual a noção de que a corrupção é um entrave para que o País alcance um nível mais avançado de desenvolvimento.
Nove em cada dez eleitores concordam com as avaliações de que “o Brasil tem riquezas suficientes para ser um país de primeiro mundo”, de que “o Brasil poderia ser um país de primeiro mundo se não fosse a ação da corrupção” e de que “o Brasil ainda pode ser um país de primeiro mundo quando acabar com a corrupção”.

‘Causas comuns’. Os dados do Ipsos mostram que, após um ciclo de acirramento da polarização política no País, há uma ânsia por iniciativas de conciliação. Nada menos do que 88% dos entrevistados concordam com a afirmação de que “as pessoas deveriam se unir em torno das causas comuns, e não brigar por partido A ou partido B”. Parcela similar considera que “brigar por partido A ou B faz com que as pessoas não discutam os reais problemas do Brasil”.
Os dados do Ipsos são parte de um levantamento chamado Pulso Brasil, feito mensalmente desde 2005 para monitorar a opinião pública sobre política, economia, consumo e questões sociais. Foram ouvidas 1,2 mil pessoas, em 72 municípios, entre 1.º e 14 de julho. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.
Mais conteúdo sobre:



quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A sessão foi aberta por volta das 9h com a presença de 65 deputados



Wilson Dias/Agência Brasil

Câmara vota denúncia contra Temer nesta quarta-feira (02); CCJ aprovou parecer pelo arquivamento do caso

A sessão extraordinária no Plenário da Câmara dos Deputados começou sem muito atraso nesta quarta-feira (02), marcada para as 9h e iniciada pouco depois das 9h30. Antes mesmo do horário previsto, a Casa já contava com mais de 52 parlamentares, número mínimo necessário para abrir a reunião deliberativa. 


A sessão no Plenário da Câmara dos Deputados, que deve analisar a denúncia contra o presidente Michel Temer, foi aberta com a presença de 65 deputados na Casa e nove, no plenário. Os parlamentares deverão discutir e votar nominalmente o parecer aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), que pede o arquivamento da denúncia.  
Desde as 7h, formou-se uma fila de parlamentares no plenário para fazer inscrição na lista de oradores que discursarão contra e a favor ao prosseguimento da denúncia. O processo deve se estender por todo o dia.

O relator do parecer, o deputado tucano Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) tinha direito a 25 minutos de pronunciamento. Ele começou sua fala pouco depois das 9h30. Em seu discurso, o parlamentar afirmou que a denúncia contra Temer se deu com falta de provas suficientes e critica a gravação feita por Joesley Batista. "Entre cinco perícias, quatro a condenam por causa de ruídos", defende.
  
O advogado de Michel Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveria começou a discursar por volta das 10h e, assim como o relator, terá 25 minutos de fala no plenário. No plenário, Mariz listou "um rol de equívocos" contra Temer. Segundo ele, o presidente da República é colocado como réu enquanto um "criminoso delator" é colocado em um pedestal [em referência ao empresário da JBS, Joesley Batista].

Mariz diz que a decisão da Câmara não influencia o julgamento. "É apenas uma questão temporal. Um ano e meio? Será que não podemos esperar um ano e meio para julgar o presidente? Ele é um facínora?", bradou o advogado de defesa. "Será que a sociedade não prefere um ano e meio de benecífios com o presidente? Será que não se pensa no homem Michel Temer?", completou. 

Também em sua fala no plenário, o advogado criticou o MPF. "O Ministério Público está desrespeitando o tripé da Justiça. Está acusando com provas, sem provas. Não pode acusar a esmo e com base em suposições e hipóteses", diz. 

Como será o rito 


Os deputados poderão falar por cinco minutos – revezando favoráveis e contras o parecer – e quando quatro oradores já tiverem se apresentado, a discussão poderá ser encerrada.  
Se o quórum mínimo for respeitado, a votação terá início – mas, nessa etapa, deverão estar presentes 342 deputados. Caso isso não ocorra, Rodrigo Maia deverá marcar uma nova sessão. 

Os votos serão realizados por chamada nominal, então os parlamentares serão convocados por ordem alfabética, começando pelos deputados de um estado da Região Norte e, em seguida, os deputados de um estado da Região Sul. No final da votação no Plenário da Câmara, tendo votado mais de 342 deputados, Rodrigo Maia deverá proclamar o resultado.

 *Com informações da Agência Brasil e Agência Câmara





TV Câmara - Análise da denúncia contra o presidente Michel Temer

Me livrei do hospício', comemora a esposa de Evaristo Costa ao chegar a Inglaterra; confira

A demissão de Evaristo Costa da TV Globo foi um dos assuntos mais comentados pelos internautas nas redes sociais. O jornalista, que já estava na emissora havia 22 anos, resolveu não continuar na casa para dar prioridade a um momento em família.
Recentemente, o comunicador viajou para a cidade de Manchester, na Inglaterra, acompanhado de seus filhos e sua esposa, Amália Stringhini, de 39 anos.
-
Na terça-feira (1º), Amália comemorou os primeiros dias na Europa em seu Instagram com uma montagem de várias fotos desabafando o quanto estava feliz por ter se mudado do Brasil: “Estou livre do hospício”, respondeu aliviada a um familiar.
Na legenda da imagem, ela escreveu como era bom voltar para “casa” depois de tantos anos e que, com muita paciência, ela finalmente conseguiu atingir tal objetivo. O hospício, na opinião dela, não fazia bem para a família.

Reportagem do link e veja as fotos:

http://www.msn.com/pt-br/entretenimento/famosos/me-livrei-do-hosp%C3%ADcio-comemora-a-esposa-de-evaristo-costa-ao-chegar-a-inglaterra-confira/ss-AAphVHW?ocid=st

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Como a reforma trabalhista pode afetar os sindicatos e seus 150 mil funcionários


Notícia no LINK abaixo:

Mesmo antes do fim do imposto sindical, previsto para entrar em vigor em novembro, entidades já realizam cortes e demissões; para analista, 4 mil sindicatos 'de carimbo', que existem apenas por causa do imposto, 'tendem a desaparecer'.

31 JUL2017
06h06
atualizado às 07h33



LINK:
https://www.terra.com.br/economia/como-a-reforma-trabalhista-pode-afetar-os-sindicatos-e-seus-150-mil-funcionarios,bad83301cc872c44b6f27672294421df2ztmbpfs.html

https://www.terra.com.br/economia/como-a-reforma-trabalhista-pode-afetar-os-sindicatos-e-seus-150-mil-funcionarios,bad83301cc872c44b6f27672294421df2ztmbpfs.html

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Bendine ajudou Val Marchiori a comprar Porsche




Sob a presidência de Aldemir Bendine, preso na manhã desta quinta (27) pela Operação Lava Jato, o Banco do Brasil transformou caminhões em um carro de luxo.
Com a ajuda do banco, a socialite e apresentadora de TV Val Marchiori conseguiu financiar seu Porsche Cayenne S, modelo 2014, com que ela circulava pelas ruas dos Jardins paulistanos.
Nesta quinta, ao comentar a prisão, Val chamou de “notícias falsas” as informações sobre ter sido beneficiada pelo ex-presidente do BB e disse que as acusações são levianas.
Em 2015, a Folha revelou que a instituição driblou regras internas para financiar à socialite R$ 2,79 milhões, subsidiados pelo governo a juros de 4% ao ano. O financiamento integrava uma linha de crédito para caminhões, e destinava-se à Torke Empreendimentos, transportadora registrada em nome da socialite.
Val foi acusada de fraude pelo Ministério Público Federal em 2016. A procuradora Karen Kahn sustentou que ela alterou o objeto social da Torke ao incluir no objeto social da transportadora que a empresa trabalhava com produtos perigosos.
Segundo a denúncia, a manobra serviu para atender a uma exigência da instituição financeira e, assim, conseguir a liberação do empréstimo, com recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
Marchiori tinha restrição de crédito por não ter pago empréstimo anterior ao BB e também não apresentava capacidade financeira para obter o financiamento -parte dele, usado para a compra do Porsche.
A informação é da Folha de São Paulo.
https://jornalivre.com/2017/07/27/bendine-ajudou-val-marchiori-a-comprar-porsche/

Siga-me por Email

Lições de vida

Cada dia em nossas vidas nos ensina lições que muitas vezes nem percebemos.
Desde o nosso primeiro piscar de olhos, desde cada momento em que a fome bate, desde cada palavra que falamos.
Passamos por inúmeras situações, na maioria delas somos protegidos, até que um dia a gente cresce e começamos a enfrentar o mundo sozinhos.
Escolher a profissão, ingressar numa faculdade, conseguir um emprego...Essas são tarefas que nem todos suportam com um sorriso no rosto ou nem todos fazem por vontade própria.
Cada um tem suas condições de vida e cada qual será recompensado pelo esforço, que não é em vão.Às vezes acontecem coisas que a gente nem acredita.
Às vezes, dá tudo, tudo errado!Você pensa que escolheu a profissão errada, que você mão consegue sair do lugar, ás vezes você sente que o mundo todo virou as costas...Parece que você caiu e não consegue levantar...Está a ponto de perder o ar...Talvez você descubra que quem dizia ser seu amigo, nunca foi seu amigo de verdade e talvez você passe a vida inteira tentando descobrir quem são seus inimigos e nunca chegue a uma conclusão.
Mas nem tudo pode dar errado ao mesmo tempo, desde que você não queira.E aí... Você pode mudar a sua vida!Se tiver vontade de jogar tudo pro alto, pense bem nas conseqüências, mas pense no bem que isso poderá proporcionar.Não procure a pessoa certa, porque no momento certo aparecerá.Você não pode procurar um amigo de verdade ou um amor como procura roupas de marca no shopping e nem mesmo encontra as qualidades que deseja como encontra nas cores e tecidos ou nas capas dos livros.Olhe menos para as vitrines, mas tente conhecer de perto o que está sendo exibido.
Eu poderia estar falando de moda, de surf, de tecnologia ou cultura, mas hoje, escolhi falar sobre a vida!Encontre um sentido para a sua vida, desde que você saiba guiá-la com sabedoria.Não deixe tudo nas mãos do destino, você nem sabe se o destino realmente existe...Faça acontecer e não espere que alguém resolva os seus problemas, nem fuja deles.Encare-os de frente. Aceite ajuda apenas de quem quer o seu bem, pois embora não possam resolver os seus problemas, quem quer o seu bem te dará toda a força necessária pra que você possa suportar e...Confie!
Entenda que a vida é bela, mas nem tanto...Mas você deve estar bem consigo mesmo pra que possa estar bem com a vida.Costumam dizer por aí que quem espera sempre alcança, mas percebi que quem alcança é quem corre atrás...Não importa a tua idade, nem o tamanho de seu sonho...A sua vida está em suas próprias mãos e só você sabe o que fazer com ela...Autor ( Lilian Roque de Oliveira )


twitter

Mapa