terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Revolução francesa: A revolta burguesa que transformou o mundo

a liberdade guiando o povo
A LIBERDADE GUIANDO O POVO Tela do pintor Eugène Delacroix faz alusão à Revolução Liberal de 1830, que prolonga o movimento da Revolução Francesa

O  levante burguês


Em um processo cheio de reviravoltas, a burguesia francesa guilhotinou o absolutismo na França, tomou o poder e soprou ventos liberais por todo o planeta

A Revolução Francesa, modelo clássico de revolução burguesa, foi um movimento social e político que transformou profundamente a França de 1789 a 1799. Sob o lema “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”, a burguesia revoltou-se contra a monarquia e, com o apoio popular, tomou o poder, pondo fim aos privilégios da nobreza e do clero e livrando-se das instituições feudais do Antigo Regime. A revolução também criou as condições para que a França caminhasse rumo ao capitalismo industrial.
A Revolução Francesa é o auge de um movimento revolucionário que consolida uma sociedade capitalista, liberal e burguesa. Atinge outros países, como a Inglaterra e os Estados Unidos, e chega à França com ideais mais bem delineados. Os movimentos pela independência da América Espanhola também são reflexos dessas transformações.

Antecedentes

No fim do século XVIII, a população francesa formava uma sociedade de estamentos, resquício da Idade Média, mas já se percebia uma divisão de classes. O clero compunha o Primeiro Estado; a nobreza, o Segundo Estado. Eles eram os mais privilegiados, sustentados pelos impostos pagos pelo Terceiro Estado, que correspondia a cerca de 98% dos habitantes e era composto de burgueses, trabalhadores urbanos e camponeses.
À época, o país enfrentava sérias dificuldades econômicas. Além de endividada externamente, a França via sua agricultura sofrer com secas e sua indústria minguar por causa da concorrência inglesa. Como solução, os ministros do rei Luís XVI, influenciados pelo liberalismo, propuseram cobrar impostos da nobreza e do clero, até então isentos de tributos. As classes dominantes pressionaram contra o projeto, e a situação política ficou tensa.

Assembleia Nacional Constituinte

Em 1789, o rei convocou a Assembleia dos Estados Gerais. Nesse órgão, cada Estado tinha direito a um voto, o que garantia o domínio da nobreza e do clero, seus tradicionais aliados. Cansado de não ter voz ativa, e ao ver a aristocracia abalada pela crise econômica, o Terceiro Estado se rebelou: proclamou-se a Assembleia Nacional Constituinte, dedicando-se à elaboração de uma nova Constituição para a França.
A população envolveu-se. Em 14 de julho, os parisienses tomaram a Bastilha – prisão que simbolizava o poder monárquico –, no episódio que marcou o início da revolução. Grande parte da nobreza fugiu do país, e os revolucionários avançaram para o interior, atacando seus castelos. Em agosto, a Assembleia Constituinte aprovou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que estipulava liberdades individuais e estabelecia a igualdade de todos perante a lei.

Assembleia Nacional Legislativa

Em 1791 foi finalizada a Constituição. O texto conservava a monarquia, mas instituía a divisão do Estado nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, proclamava a igualdade civil e confiscava os bens da Igreja.
Foi eleita a Assembleia Nacional Legislativa, com voto censitário (condicionado à renda), de modo que a maioria dos membros pertencia à elite burguesa. Os deputados dividiam-se em três grupos. Os girondinos, representantes da alta burguesia, sentados à direita do plenário, eram mais conservadores e combatiam a ascensão dos sansculottes (os que não usavam culotes, traje da nobreza, ou seja, o povo). Os jacobinos, à esquerda, representavam a média e pequena burguesia, eram apoiados pelas camadas populares e buscavam ampliar a participação do povo no governo. Os deputados do centro, a maioria, eram apelidados de grupo do pântano e oscilavam entre jacobinos e girondinos.
Preocupadas com os eventos ocorridos no país vizinho, Áustria e Prússia invadiram a França, em 1792. Os dois países foram apoiados pela nobreza francesa refugiada e pelo próprio Luís XVI, que sonhava em voltar ao poder. Diante da tentativa de fuga de Luís XVI para se juntar aos nobres emigrados e do agravamento das ameaças contrarrevolucionárias, os jacobinos, liderados por Robespierre, Jean Paul Marat e Danton, conseguiram aprovar as propostas de extinção da monarquia, a prisão do rei e a implantação da República. Com o apoio dos sansculottes, derrotaram os exércitos leais às monarquias absolutistas europeias e radicalizaram a oposição aos nobres.

Convenção

A pressão popular fez com que se formasse uma nova Assembleia para preparar outra Constituição. A Convenção, como ficou conhecida, funcionou entre 1792 e 1795, passou a controlar os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, e era dirigida pelo Comitê de Salvação Pública. Fortalecidos, os jacobinos proclamaram a República em 20 de setembro de 1792. No ano seguinte, guilhotinaram Luís XVI, capturado durante a guerra.

Diretório

Os novos líderes decidiram redigir outra Constituição, instituindo o governo do Diretório (1795-1799), que consolidou as aspirações burguesas. Nesse período, o país sofreu ameaças externas, e, para manter seus privilégios, a burguesia entregou o poder ao general Napoleão Bonaparte. Popular por suas conquistas militares, ele deu um golpe de Estado em 1799 – o 18 Brumário –, instalando um novo governo, o Consulado. Nesse sistema, a nação era administrada por três cônsules, dos quais Napoleão era o mais influente. Em 1804, o general coroou-se imperador. Prosseguiu a expansão territorial, formando um grandioso império que incluía a Áustria, a Holanda, a Suíça, a Itália, a Bélgica e a Península Ibérica. Também implantou o Código Civil, que confirmou a vitória da revolução e influenciou a legislação de quase todos os países europeus no século XIX.
napoleão bonaparte
NAPOLEÃO BONAPARTE –  Imperador consolida o jovem Estado burguês na França

Derrota de Napoleão

Napoleão foi derrotado por uma coalizão de potências europeias em 1815. No mesmo ano, representantes dessas potências reuniram-se no Congresso de Viena para redefinir o mapa político da Europa e do mundo. Sob a liderança do Reino Unido, da Áustria, da Prússia e da Rússia, os territórios do Império Napoleônico foram redistribuídos entre os países vencedores, restaurando dinastias e fronteiras alteradas pelas guerras napoleônicas. A Santa Aliança, organização política internacional, é fundada com o objetivo de manter a França sob vigilância, deter novos movimentos revolucionários e garantir o equilíbrio de poder estabelecido entre as grandes potências europeias.
No entanto, a partir de 1830, com as Revoluções Liberais, que começaram na França e se espalharam pela Europa, o Estado burguês concretizado por Napoleão foi reerguido. As mudanças trazidas pela Revolução Francesa tinham vindo para ficar.
Screenshot_7

Corte fugida

Inimiga da Inglaterra, a França de Napoleão decretou, em 1806, o bloqueio continental, impedindo a Europa de comercializar com os britânicos. Com a economia subordinada à Inglaterra, Portugal relutou em aderir ao bloqueio. Napoleão, então, ordenou a invasão do reino ibérico, provocando a vinda da família real portuguesa ao Brasil, em 1808. Isso apressaria nossa independência, ocorrida em 1822 (veja mais na pág.94).
Começava o Período do Terror, que durou de 1793 a 1794. Sob o comando de Robespierre, foi criado o Tribunal Revolucionário, encarregado de prender e julgar traidores. Milhares de pessoas foram guilhotinadas, incluindo jacobinos acusados de conspiração, como Danton e o jornalista Desmoulins. O governo jacobino foi popular, mas as perseguições levaram à perda do apoio do povo. Os membros da Convenção acabaram se voltando contra Robespierre, que foi preso e executado. Assim, chegava ao fim a supremacia jacobina. Os girondinos, em aliança com o grupo do pântano, instalaram novamente no poder a alta burguesia.
http://guiadoestudante.abril.com.br/curso-enem/revolucao-francesa-o-levante-burgues/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga-me por Email

Lições de vida

Cada dia em nossas vidas nos ensina lições que muitas vezes nem percebemos.
Desde o nosso primeiro piscar de olhos, desde cada momento em que a fome bate, desde cada palavra que falamos.
Passamos por inúmeras situações, na maioria delas somos protegidos, até que um dia a gente cresce e começamos a enfrentar o mundo sozinhos.
Escolher a profissão, ingressar numa faculdade, conseguir um emprego...Essas são tarefas que nem todos suportam com um sorriso no rosto ou nem todos fazem por vontade própria.
Cada um tem suas condições de vida e cada qual será recompensado pelo esforço, que não é em vão.Às vezes acontecem coisas que a gente nem acredita.
Às vezes, dá tudo, tudo errado!Você pensa que escolheu a profissão errada, que você mão consegue sair do lugar, ás vezes você sente que o mundo todo virou as costas...Parece que você caiu e não consegue levantar...Está a ponto de perder o ar...Talvez você descubra que quem dizia ser seu amigo, nunca foi seu amigo de verdade e talvez você passe a vida inteira tentando descobrir quem são seus inimigos e nunca chegue a uma conclusão.
Mas nem tudo pode dar errado ao mesmo tempo, desde que você não queira.E aí... Você pode mudar a sua vida!Se tiver vontade de jogar tudo pro alto, pense bem nas conseqüências, mas pense no bem que isso poderá proporcionar.Não procure a pessoa certa, porque no momento certo aparecerá.Você não pode procurar um amigo de verdade ou um amor como procura roupas de marca no shopping e nem mesmo encontra as qualidades que deseja como encontra nas cores e tecidos ou nas capas dos livros.Olhe menos para as vitrines, mas tente conhecer de perto o que está sendo exibido.
Eu poderia estar falando de moda, de surf, de tecnologia ou cultura, mas hoje, escolhi falar sobre a vida!Encontre um sentido para a sua vida, desde que você saiba guiá-la com sabedoria.Não deixe tudo nas mãos do destino, você nem sabe se o destino realmente existe...Faça acontecer e não espere que alguém resolva os seus problemas, nem fuja deles.Encare-os de frente. Aceite ajuda apenas de quem quer o seu bem, pois embora não possam resolver os seus problemas, quem quer o seu bem te dará toda a força necessária pra que você possa suportar e...Confie!
Entenda que a vida é bela, mas nem tanto...Mas você deve estar bem consigo mesmo pra que possa estar bem com a vida.Costumam dizer por aí que quem espera sempre alcança, mas percebi que quem alcança é quem corre atrás...Não importa a tua idade, nem o tamanho de seu sonho...A sua vida está em suas próprias mãos e só você sabe o que fazer com ela...Autor ( Lilian Roque de Oliveira )


twitter

Mapa