segunda-feira, 5 de março de 2012

Siderurgia: projetos derretem

A crise que se agravou na Europa e a recuperação muito lenta da economia nos Estados Unidos fizeram o setor siderúrgico mundial rever seus projetos para 2012. Isso influencia diretamente a economia brasileira tanto em função da produção menor entre as 26 usinas instaladas no país quanto à queda na demanda mundial por minério de ferro, matéria-prima básica da produção de aço.

Se a siderurgia é importante para a economia brasileira, muito mais é a mineração, responsável por grande parte do volume de ferro colocado no mercado mundial, seja na forma de finos ou pellets. A maior produtora de minério de ferro do mundo, a Vale, além de ter negócios vultuosos em Minas Gerais e no Pará, possui sete pelotizadoras (em parceria) no Espírito Santo, além de um porto para embarque de minério.

O Instituto Aço Brasil, que reúne as principais empresas do segmento no país, divulgou avaliação em que diz que o cenário é de incertezas, o que faz com que os investimentos sejam revistos em termos de prazos de implementação.

Isso significa que, apesar do setor ter uma previsão de investimentos superiores a US$ 5 bilhões por ano, o efetivo início da implantação de novos projetos deve levar em conta as condições competitivas do mercado brasileiro. Como comparação, o montante anual está abaixo da média aplicada durante o período pós-privatização.

Revisão

Em novembro do ano passado, o grupo ArcelorMittal, o maior do mundo do setor, anunciou o adiamento, por tempo indeterminado, do investimento de US$ 1,2 bilhão na duplicação da siderúrgica instalada no município de João Monlevade, em Minas Gerais. O investimento geraria, no pico das obras, 6 mil empregos.

Segundo o principal executivo do grupo no Brasil, Benjamin Baptista Filho, o momento é mesmo de reavaliar a situação tendo em vista que a crise europeia é mais grave do que se pensava inicialmente. "Os planos para Tubarão estão aprovados, mas esperam uma mudança no cenário mundial".

O grupo quer ampliar o laminador de tiras a quente (LTQ) para produzir mais 500 mil toneladas por ano, passando de 4 milhões para 4,5 milhões de toneladas por ano de bobinas. "Também planejamos um novo LTQ, que demandará investimentos da ordem US$ 1 bilhão. Mas, só quando o cenário macro der certeza que a demanda interna e externa vai existir ao entrar em operação, é que podemos deslanchar esse projeto".

Mesmo com a situação delicada na Europa, a ArcelorMittal decidiu manter o projeto de reforma do alto-forno 1, em Tubarão, que está há 28 anos em operação ininterrupta, recorde no mundo. Para isso, serão investidos US$ 180 milhões, além de outros US$ 70 milhões para a reforma de outros equipamentos, como sinterizador e equipamentos do sistema de lingotamento contínuo e o forno 3.

A previsão é que em 100 dias a reforma do alto-forno termine para que o equipamento possa ser ligado no início do segundo semestre. "Queremos que a companhia esteja pronta para produzir na sua capacidade total, de 7,5 milhões de toneladas por ano", explica o executivo.

O mercado interno, mais do que o externo, é que está na mira da companhia. A intenção é ampliar o fornecimento de aço para o mercado interno, com a produção menor de placas de aço e a ampliação na produção de aços laminados e bobinas. A laminação do grupo é feita na planta de Vega do Sul, em Santa Catarina.

Benjamin Baptista avaliou as medidas adotadas pelo governo federal, no ano passado, para estimular a indústria automobilística e de eletrodomésticos. Com redução de impostos para diminuir os preços, o governo ajudou o segmento a manter a produção e os empregos.

Segundo os especialistas, será preciso também adotar medidas que resguardem a indústria brasileira para não permitir a entrada de aço importado no país. As taxas de entrada de aço no Brasil vem crescendo ano a ano: 2% em 2004; 5% em 2006; 9% em 2008; e 12% em 2009. "Chegamos ao final de 2010 com uma taxa de 20%", diz Benjamin Baptista.

De acordo com dados divulgados pelo Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Produtos Siderúrgicos (Sindisider), as importações de aço em 2011 foram 47,5% menores do que no ano anterior. Basicamente, o recuo deve-se principalmente à queda do preço do produto nas siderúrgicas nacionais.

Perspectivas

O consumo de aço no mundo deve voltar, até 2014, aos níveis pré-crise de 2009, conforme avaliação do presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo Lopes. Ele explicou que a recuperação era esperada para 2012, mas a crise na União Europa prejudicou o setor.

Afirmando que o mundo está de "cabeça para baixo", o presidente do instituto acredita que a deterioração das economias na zona do euro, em 2010 e 2011, alterou significativamente o comércio mundial. Lopes acrescentou que o consumo de aço está estreitamente ligado ao desenvolvimento econômico e ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em todo o mundo. Para 2012 a expectativa é que o setor cresça 6% no Brasil.

Analistas do mercado do aço dizem que uma boa palavra para o setor em 2012 seria "investimento". Companhias como Siderúrgica Nacional (CSN) e a Gerdau foram favorecidas, em 2011, pela oferta pública (recompra de ações), que alavancou o caixa das empresas. Está previsto para elas grandes investimentos para desenvolver a capacidade produtiva e fazer frente a demandas futuras de aço. Tudo vai depender, porém, do comportamento também de economias como a da China, de longe o maior mercado consumidor de aço do mundo.

Em evento realizado no final do ano passado, Marco Polo de Mello Lopes resumiu o quadro para o futuro do setor: "O mundo pós-crise é muito mais complexo e competitivo, o que torna ainda mais importante preservar o mercado interno com a correção das assimetrias competitiva e tributárias, disse ele".

As tais condições assimétricas que precisam ser corrigidas, segundo Lopes, se traduzem no aumento da participação do aço importado no mercado brasileiro. O instituto calcula que o consumo aparente de produtos siderúrgicos no Brasil cresça 7,1%, atingindo em 26,7 milhões de toneladas neste ano, sendo 7,5 milhões de toneladas produzidas no Espírito Santo.

O crescimento deve ser duas vezes superior ao previsto para a economia brasileira e é importante, já que em 2011, o consumo aparente foi inferior em 4,3% a 12 meses, totalizando 25 milhões de toneladas ao ano. Ainda no ano passado, as vendas internas foram 3,8% maiores, somando 21,5 milhões de toneladas, mas essas vendas ainda não haviam alcançado o patamar pré-crise de 2008.

Produção

Mesmo com toda a crise, o Instituto Aço Brasil prevê uma alta de 6,3% na produção de aço em 2012, num total de 37,49 milhões de toneladas. A venda de produtos siderúrgicos deve subir 8,4% neste ano, chegando a 23,31 milhões de toneladas. Claro que os números se confirmarão se o país crescer entre 3% e 4%, como está previsto.

No caso das exportações, os produtos siderúrgicos têm alta estimada de 1,8% nas vendas externas em 2012, atingindo 10,92 milhões de toneladas. Já a receita de exportação deve subir 2,4% somando US$ 8,5 bilhões. E as importações devem cair 0,7% em 2012, totalizando 3,64 milhões de toneladas. Para o consumo aparente do setor, projeta-se elevação de 7,1%. O consumo aparente é calculado a partir da soma das vendas diretas dos produtores de aço e das importações de distribuidores e consumidores.

Fonte: A Gazeta (Vitória) ES/Denise Zandonadi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga-me por Email

Lições de vida

Cada dia em nossas vidas nos ensina lições que muitas vezes nem percebemos.
Desde o nosso primeiro piscar de olhos, desde cada momento em que a fome bate, desde cada palavra que falamos.
Passamos por inúmeras situações, na maioria delas somos protegidos, até que um dia a gente cresce e começamos a enfrentar o mundo sozinhos.
Escolher a profissão, ingressar numa faculdade, conseguir um emprego...Essas são tarefas que nem todos suportam com um sorriso no rosto ou nem todos fazem por vontade própria.
Cada um tem suas condições de vida e cada qual será recompensado pelo esforço, que não é em vão.Às vezes acontecem coisas que a gente nem acredita.
Às vezes, dá tudo, tudo errado!Você pensa que escolheu a profissão errada, que você mão consegue sair do lugar, ás vezes você sente que o mundo todo virou as costas...Parece que você caiu e não consegue levantar...Está a ponto de perder o ar...Talvez você descubra que quem dizia ser seu amigo, nunca foi seu amigo de verdade e talvez você passe a vida inteira tentando descobrir quem são seus inimigos e nunca chegue a uma conclusão.
Mas nem tudo pode dar errado ao mesmo tempo, desde que você não queira.E aí... Você pode mudar a sua vida!Se tiver vontade de jogar tudo pro alto, pense bem nas conseqüências, mas pense no bem que isso poderá proporcionar.Não procure a pessoa certa, porque no momento certo aparecerá.Você não pode procurar um amigo de verdade ou um amor como procura roupas de marca no shopping e nem mesmo encontra as qualidades que deseja como encontra nas cores e tecidos ou nas capas dos livros.Olhe menos para as vitrines, mas tente conhecer de perto o que está sendo exibido.
Eu poderia estar falando de moda, de surf, de tecnologia ou cultura, mas hoje, escolhi falar sobre a vida!Encontre um sentido para a sua vida, desde que você saiba guiá-la com sabedoria.Não deixe tudo nas mãos do destino, você nem sabe se o destino realmente existe...Faça acontecer e não espere que alguém resolva os seus problemas, nem fuja deles.Encare-os de frente. Aceite ajuda apenas de quem quer o seu bem, pois embora não possam resolver os seus problemas, quem quer o seu bem te dará toda a força necessária pra que você possa suportar e...Confie!
Entenda que a vida é bela, mas nem tanto...Mas você deve estar bem consigo mesmo pra que possa estar bem com a vida.Costumam dizer por aí que quem espera sempre alcança, mas percebi que quem alcança é quem corre atrás...Não importa a tua idade, nem o tamanho de seu sonho...A sua vida está em suas próprias mãos e só você sabe o que fazer com ela...Autor ( Lilian Roque de Oliveira )


twitter

Mapa