terça-feira, 25 de maio de 2010

É útil ser conhecedor da malandragem sem ser malandro.

Assisti nos jornais televisivos que um senhor foi morto por um policial quando começou a usar uma furadeira.

Ele comentou com a esposa: “Só falta eles confundirem a minha furadeira com um revolver e foi para a sua sacada fazer um trabalho.”

Isto é coisa de maluco, pois aconteceu em plena batida policial no seu morro ou região, tanto é que provocou este comentário.

Tudo bem, isto não justifica para a sua morte, muitos vão dizer, mas que ele foi de uma petulância e falta de inteligência, lá isto foi.

Eu diria até, já que ele visualizou a possibilidade do evento, que foi
descaramento, da parte dele e, no fundo, ele quis tirar “uma” com a policia, pois se você os vê fazendo uma “batida”, próxima da tua casa, o que seria mais natural e aconselhável, para qualquer ser vivente, que não tem nada com aquilo?

Não seria ficar dentro de casa aguardando um melhor momento para sair?

Você não precisa ser bandido, mas você também não pode ser burro. Ninguém é mais ingênuo neste nosso mundo. Você tem que estar ligado com tudo o que acontece a tua volta, principalmente se você mora nos morros ou subúrbios, tanto no Rio como em São Paulo.

Nas outras cidades isto já não é aconselhável, imagine nestas!

Na década de setenta, onde tive a minha adolescência, qualquer jovem tinha que saber se virar, pois, se caísse num camburão, talvez a tua família não te encontrasse mais.

Qualquer um era morto e as culpas nunca eram apuradas, ou eles te passavam como subversivo ou como bandido e morria o assunto também por aí.

Drogas naquela época era novidade e fazia parte de todo o contexto daquela época onde se respirava, culturalmente, novos tempos; novas formas de se encarar a vida, novas filosofias nos libertavam daquela “carolice” da Igreja para quem tudo era pecado a não ser o que acontecia dentro dos seus muros, como estão vindo agora à tona.

A minha turma começou a gostar mais de ir assistir à “Santa saída” e os cabeludos começaram a dar o tom.

As drogas eram vistas de outra forma por alguns grupos, como o meu, embora eu não gostasse da maconha e também nunca me permiti, por auto preservação inconsciente, a usar qualquer tipo de agressão ao corpo, como agulhas etc. Mas a minha turma era daquelas mais leves, só do paz e amor, mas era.

Era com eles que eu gostava de ficar. Eu era um maluco sem precisar de drogas.

Mas existia uma certa rebeldia ligada ao seu uso, um certo grito de independência interior naqueles que as usavam naquela período. O seu uso era ligados à busca de novos valores.

O mundo passava por uma transformação, isto é inequívoco.

E este conviver bem próximo da clandestinidade me deu conhecimentos que fazem parte de mim até hoje e me trouxeram tarimba para sobreviver por todos os anos posteriores àquela época.

Muita gente perdeu a vida posteriormente, pois chegou um momento, como em todos os momentos da humanidade, em que você tem que se adaptar novamente ao ciclo das coisas ou você será sucumbido pelo trem da história.

A partir de um momento você não pode mais continuar com as opções que teve na adolescência e muitos não sabendo fazer esta transição, sucumbiram. Não foram poucos, o Raul Seixas, um dos meus gurus daquela época, foi um exemplo, o Tim Maia outro.

Esta transição nem sempre é fácil para muitos, assim como não foi para mim, mas é lógico que é necessária. As doiduras da adolescência têm que ficarem para trás em um dado momento. Aqueles que não souberam fazer isto sucumbiram.

Mas este aprendizado eu considero que foi a minha melhor escola. Ninguém era bandido, mas tínhamos que pensar como tal para sobrevivermos. Tínhamos que estar sempre ligado e pensarmos um pouco como policiais também.

Uma das coisas que a gente deve ter em mente é que o policial, muitas vezes, está com mais medo do que você. Ele é uma pessoa como você, com família para cuidar, com contas para pagar etc.

Eu me lembro, muitos anos depois, já com vinte e tantos anos, estar indo com um amigo de um barzinho para um outro e a policia entrou em cima da calçada, nos cercando e eu falei para o meu amigo: levanta as mãos. e fica quieto. O mesmo quis retrucar sobre os seus direitos, mas o mandei, energicamente, ficar quieto.

Eram uns três carros da policia e do carro que parou na nossa frente saíram policiais fortemente armados, mas que ficaram tranqüilos com a nossa atitude, pediram os nossos documentos e nos liberaram.

Custa para qualquer ser humano fazer isto?

Não pode esquecer que eles não sabem a quem eles estão abordando e,não sabendo, eles tem que virem preparados para o pior, então a melhor coisa que podemos fazer é desarmarmos o espírito deles e procurarmos deixá-los tranqüilos, na medida do possível, sem questionamentos e sem falarmos, num momento deste, como o meu amigo queria, de direitos do cidadão.

Nesta hora o que vale é o “direito de preservação”, depois nós vamos ver o resto.

Temos visto muitas atrocidades cometidas por policiais, que nem podemos chamar mais de seres humanos, mas mesmo assim, como não sabemos que tipo de policial está nos abordando, quanto mais ficar quieto melhor.

Escutei recentemente de uma mãe, que teve um filho morto de forma cruel num recinto policial: “Eu sempre ensinei o meu filho a não ter medo da policia”.

Ela está correta, mas fiquei pensando comigo:

Será que ele não entendeu errada esta educação? E por isto não ficou quieto como devia?

Não ter medo é uma coisa, mas ter senso de sobrivência é outra.

Não quero dizer que a culpa é da vítima, mas como não sabemos que tipo de policial nos está abordando; se é bom ou não; se é justo ou não; se está com medo ou não, é melhor erguermos logo as mãos e falarmos o mínimo possível até eles baixarem a guarda.

O senhor da “furadeira” sabia o que estava provocando com o seu ato, tanto é que fez o comentário para a sua esposa.

Morreu por não saber que qualquer policial também tem medo e que, na linha de frente, ele não tem muito tempo para raciocinar e muito menos saber que aquele lance que ele tem na mão é apenas uma furadeira.

Brincou na hora errada!

www.hserpa.prosaeverso.net

Em qualquer situação da sua vida procure se lembrar:
'Não é o lugar em que nos encontramos nem as exterioridades que tornam as pessoas felizes; a felicidade provém do íntimo, daquilo que o ser humano sente dentro de sí mesmo' Roselis von Sass - graal.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga-me por Email

Lições de vida

Cada dia em nossas vidas nos ensina lições que muitas vezes nem percebemos.
Desde o nosso primeiro piscar de olhos, desde cada momento em que a fome bate, desde cada palavra que falamos.
Passamos por inúmeras situações, na maioria delas somos protegidos, até que um dia a gente cresce e começamos a enfrentar o mundo sozinhos.
Escolher a profissão, ingressar numa faculdade, conseguir um emprego...Essas são tarefas que nem todos suportam com um sorriso no rosto ou nem todos fazem por vontade própria.
Cada um tem suas condições de vida e cada qual será recompensado pelo esforço, que não é em vão.Às vezes acontecem coisas que a gente nem acredita.
Às vezes, dá tudo, tudo errado!Você pensa que escolheu a profissão errada, que você mão consegue sair do lugar, ás vezes você sente que o mundo todo virou as costas...Parece que você caiu e não consegue levantar...Está a ponto de perder o ar...Talvez você descubra que quem dizia ser seu amigo, nunca foi seu amigo de verdade e talvez você passe a vida inteira tentando descobrir quem são seus inimigos e nunca chegue a uma conclusão.
Mas nem tudo pode dar errado ao mesmo tempo, desde que você não queira.E aí... Você pode mudar a sua vida!Se tiver vontade de jogar tudo pro alto, pense bem nas conseqüências, mas pense no bem que isso poderá proporcionar.Não procure a pessoa certa, porque no momento certo aparecerá.Você não pode procurar um amigo de verdade ou um amor como procura roupas de marca no shopping e nem mesmo encontra as qualidades que deseja como encontra nas cores e tecidos ou nas capas dos livros.Olhe menos para as vitrines, mas tente conhecer de perto o que está sendo exibido.
Eu poderia estar falando de moda, de surf, de tecnologia ou cultura, mas hoje, escolhi falar sobre a vida!Encontre um sentido para a sua vida, desde que você saiba guiá-la com sabedoria.Não deixe tudo nas mãos do destino, você nem sabe se o destino realmente existe...Faça acontecer e não espere que alguém resolva os seus problemas, nem fuja deles.Encare-os de frente. Aceite ajuda apenas de quem quer o seu bem, pois embora não possam resolver os seus problemas, quem quer o seu bem te dará toda a força necessária pra que você possa suportar e...Confie!
Entenda que a vida é bela, mas nem tanto...Mas você deve estar bem consigo mesmo pra que possa estar bem com a vida.Costumam dizer por aí que quem espera sempre alcança, mas percebi que quem alcança é quem corre atrás...Não importa a tua idade, nem o tamanho de seu sonho...A sua vida está em suas próprias mãos e só você sabe o que fazer com ela...Autor ( Lilian Roque de Oliveira )


twitter

Mapa